Erro na Linha: #3 :: Use of undefined constant SEO_TITLE - assumed 'SEO_TITLE'
/home/sindaspi/public_html/site/sindaspisc/header.inc.php
SEO_TITLE

BLOG SINDASPI-SC


27/04/2017 | Movimentos Sindicais

GREVE GERAL EM CRICIUMA

Um total de 15 categorias confirmadas para a greve geral

A greve geral marcada para a próxima sexta-feira (28) em todo o Brasil contra as reformas Trabalhista e Previdenciária proposta pelo presidente Michel Temer (PMDB) e prontas para serem votadas na Câmara Federal já tem pelo menos 15 categorias  confirmadas de Criciúma e região. Participam da mobilização nacional os seguintes trabalhadores: policiais civis, bancários, funcionários do hospital São José, servidores públicos de Içara, Araranguá e Criciúma, professores estaduais, mineiros, funcionários do INSS, Justiça do Trabalho, Justiça Estadual e Justiça Federal, funcionários da Celesc, motoristas de Criciúma e professores das licenciaturas da Unesc. 

 

A concentração dos trabalhadores será no Terminal de Onibus do bairro Pinheirinho a partir das 7 horas. Um dos coordenadores da greve em Criciúma e presidente do Sindicato dos Bancários, Edegar Generoso, chama toda a população para a importância de parar este dia e lutar pelos direitos. “É melhor perdermos um único dia de trabalho do que perdemos a nossa aposentadoria, o nosso FGTS, as férias, o 13º salário a garantia de emprego entre tantas conquistas históricas que garantimos com muitas greves e lutas em outros momentos da história”, pontua. 

 

O sindicalista alerta sobre os drásticos riscos para os trabalhadores com a aprovação destas reformas entres eles: para aposentar o trabalhador terá que trabalhar 49 anos direto sem interrupção nenhuma e ainda assim, não terá garantida a aposentadoria integral; a idade mínima da aposentadoria passará para 65 anos, para mulheres e homens mesmo para aposentadorias especiais.

 

“Já a perda com a reforma trabalhista limita o papel da justiça do trabalho como fiscalizador visando os direitos dos trabalhadores nos acordos com trabalhistas; a jornada de trabalho poderá ser ampliada e os intervalos menores; reduz salários, aumenta o desemprego e a informalidade e propõe a restrição e diversos direitos ou o fim do FGTS, 13º, férias, seguro-desemprego”, pontua o sindicalista.
 

 

Fonte: Sindicato dos bancários de Criciúma e região.